Aumento do salário mínimo e isenção do Imposto de Renda para quem ganha até R$2.640 são aprovados na Câmara - O Poti News

Aumento do salário mínimo e isenção do Imposto de Renda para quem ganha até R$2.640 são aprovados na Câmara

Votação foi uma das mais expressivas da história da Câmara Federal. Foto: Joel Santana.

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (23), a Medida Provisória criada pelo governo Lula (PT), que aumentou o salário mínimo e alterou a tabela do imposto de renda. As medidas já estavam em vigor, mas segundo o regimento do Congresso, caso não fosse aprovada em três meses, seria anulada. 

No dia do trabalhador, em 1° de maio, o presidente Lula anunciou um aumento no salário mínimo, que variou de R$1.302 para R$1.320. A atualização da tabela do imposto de renda era uma promessa da campanha do presidente. Até então, a isenção era possível para quem recebia até R$1.903,98, agora, o valor passa para R$2.640. A meta do governo é que em 2026, a isenção seja para todos os que recebem até R$5 mil.

A medida provisória teve ampla aprovação na Câmara, recebendo 439 votos à favor, um contra e uma abstenção. A única posição contrária foi do Deputado Luiz Lima (PL-RJ), que se retratou em suas redes sociais, afirmando que errou na hora de registrar o voto. 

2023 será o primeiro ano desde 2019 com aumento real do salário mínimo, ou seja, com ganho real em relação à inflação, o que não aconteceu em 2020, 2021 e 2022. O valor estabelecido pelo ex-presidente Bolsonaro no último ano de governo, tinha o ganho real de 1,41%. Com a medida, o aumento será de 2,7% em relação a 2022. 

Offshores se livram da taxação

Para a aprovação do texto, a Câmara fez um acordo em que impediu a taxação de offshores, prevista na medida. Offshores são empresas chefiadas e financiadas por brasileiros que funcionam no exterior, especialmente países considerados “paraísos fiscais”. 

A taxação seria um dos meios para recuperar o dinheiro que não será arrecadado com a mudança no imposto de renda, mas a medida não foi bem recebida por parlamentares do centrão e da direita.