Governo cria malha aérea emergencial para atender o Rio Grande do Sul - O Poti News

Governo cria malha aérea emergencial para atender o Rio Grande do Sul

Canoas receberá 5 voos diários. Aeroportos regionais ampliam oferta. Foto: Guilherme Pereira.

O Ministério de Portos e Aeroportos anunciou a implantação de uma malha aérea emergencial para atender à população do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, afetada por fortes chuvas e enchentes que resultaram no fechamento temporário do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. A pista, pátio e saguão do aeroporto permanecem completamente alagados, tornando inviável a operação de voos comerciais.

Antes do fechamento, o Aeroporto Internacional Salgado Filho figurava entre os 10 mais movimentados do país e respondia por quase 90% do volume de passageiros transportados no estado. Como parte do plano emergencial, seis terminais aéreos no Rio Grande do Sul, além da Base Aérea de Canoas, na região metropolitana, foram selecionados para ampliar a capacidade de voos e acomodar passageiros.

O ministro Sílvio Costa Filho enfatizou que a Base Aérea de Canoas se tornou o centro logístico para operações de resgate e chegada de cargas. Está previsto que a base receba até 35 voos comerciais por semana, enquanto os outros seis aeroportos regionais do Rio Grande do Sul juntos operarão 53 voos semanais.

Além disso, a ajuda também virá de Santa Catarina, com os aeroportos de Florianópolis, Chapecó e Jaguaruna se juntando ao esforço, ampliando as frequências e os assentos disponíveis.

Enquanto isso, a Fraport, concessionária responsável pela administração do Aeroporto de Porto Alegre, está coordenando a preparação da Base Aérea de Canoas para receber os voos comerciais. A estruturação inclui adaptações no terminal de passageiros, instalação de equipamentos de segurança e logística de bagagens, entre outros serviços essenciais para a aviação civil. A previsão é de que os voos comecem em alguns dias.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) confirmou o engajamento das principais companhias aéreas do país nesse esforço, com todas demonstrando interesse em operar na base aérea de Canoas assim que as condições estiverem regularizadas.

A malha aérea emergencial representa um incremento na capacidade de transporte para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, passando de sete mil para 13 mil assentos semanais. Embora seja uma fração do que o Aeroporto de Porto Alegre oferecia em funcionamento normal, o plano visa atender às necessidades imediatas da população e fortalecer a aviação regional.

Veja como fica a malha aérea emergencial no Rio Grande do Sul e Santa Catarina:

  • Aeroporto de Caxias do Sul (RS): 25 voos semanais
  • Aeroporto de Santo Ângelo (RS): 2 voos semanais
  • Aeroporto de Passo Fundo (RS): 16 voos semanais
  • Aeroporto de Pelotas (RS): 5 voos semanais
  • Aeroporto de Santa Maria (RS): 2 voos semanais
  • Aeroporto de Uruguaiana (RS): 3 voos semanais
  • Base Aérea de Canoas (RS): 35 voos semanais
  • Aeroporto de Florianópolis (SC): 21 voos semanais
  • Aeroporto de Jaguaruna (SC): 7 voos semanais
  • Aeroporto de Chapecó (SC): aumento da capacidade da aeronave