Operação Shamar combate violência doméstica e feminicídio em todo o RN - O Poti News

Operação Shamar combate violência doméstica e feminicídio em todo o RN

Todas as atividades são supervisionadas e acompanhadas em conjunto pela Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social do Rio Grande do Norte (SESED) e pela Secretaria de Estado das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos (SEMJIDH). Foto: Divulgação SESED.

Hoje (21), uma ação coordenada entre as forças de segurança do Rio Grande do Norte deu início à operação “Shamar”, que tem como objetivo enfrentar a violência contra a mulher, especialmente a doméstica e o feminicídio. A Polícia Militar, a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros Militar, as Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher e as Guardas Municipais participam das atividades de fiscalização, conscientização, prevenção e mandados de prisão.

O titular da Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (SESED), coronel Araújo Silva, ressaltou a importância da operação para conscientizar a sociedade sobre a defesa dos direitos das mulheres.

“A operação é de total importância para o combate à violência contra a mulher, principalmente para a conscientização de toda a sociedade de que é preciso, cada vez mais, estarmos unidos em defesa das mulheres e de seus direitos. E essa operação é isso, a integração de todas as forças de segurança com o objetivo de garantir mais segurança para as mulheres”.

Coronel Araújo Silva, titular da SESED.

A operação Shamar, que significa “cuidar”, é uma ação nacional realizada durante o Agosto Lilás, mês de conscientização pela defesa da mulher. Coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, conta com a participação das Secretarias Estaduais de Segurança Pública e tem investimento de mais de R$ 2 milhões para ações preventivas, educativas e repressivas contra a violência doméstica.

A operação busca também reforçar a divulgação de informações sobre canais de denúncia e leis de proteção à mulher vítima de violência, atuando em conjunto com a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), que completou 17 anos na segunda-feira. Em caso de suspeita ou violação dos direitos da mulher, os números de emergência 190 e 180 estão disponíveis para ajuda e denúncias, garantindo anonimato e atendimento 24 horas.