Prefeitura cadastra quiosqueiros da Redinha para trabalho provisório - O Poti News

Prefeitura cadastra quiosqueiros da Redinha para trabalho provisório

Comerciantes da Redinha preencheram ficha de trabalho na sede da Semurb, nesta quinta-feira (29). Foto: Gil Araújo/Semurb.

Os quiosqueiros da praia da Redinha voltam ao trabalho a partir deste domingo (1º), após serem cadastros pela Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb). Os comerciantes poderão ocupar a faixa de areia, de forma provisória, até o dia 31 de março do próximo ano.

Ontem (28), eles foram à sede da Semurb para preencher as fichas de permissão de trabalho. Agora, os quiosqueiros que têm permissão para trabalhar no local farão uso de crachás de identificação, assim como seus funcionários.

De acordo com a Semurb, os pontos que serão usados pelos comerciantes foram escolhidos mediante sorteio e estão em conformidade com o Plano de Ocupação Provisória. Os quiosqueiros ficarão na faixa de areia a partir do espigão (quebra-mar) em direção à Redinha Nova.

“Em primeiro momento, será permitido somente comercialização de alimentos e bebidas embalados, todavia com a possibilidade de terceirizar o preparo em uma unidade produtora externa que deve ser anteriormente avaliada pela Vigilância Sanitária”, explicou o supervisor geral de fiscalização ambiental da Semurb, Leonardo Almeida.

Os comerciantes ainda passarão por um treinamento sobre regras de manipulação de alimentos com a Vigilância Sanitária no dia 7 de novembro.

Entenda o caso dos quiosqueiros da Redinha:

Quiosqueiros da Redinha dizem que protestos de ambulantes atrapalham negociações

Os proprietários de quiosques da praia da Redinha foram retirados do local de trabalho para a que a prefeitura realize a obra de requalificação do Complexo Turístico da Redinha. Ao todo, eram 20 comerciantes, dos quais 10 receberam uma indenização de R$ 50 mil e aceitaram não retornar ao local para trabalhar, e os outros 10 firmaram um acordo para receber metade desse valor e continuar trabalhando na praia.

O acordo foi firmado entre os comerciantes, a prefeitura de Natal, por meio da Semurb, e a Justiça Federal do Rio Grande do Norte.