RN exporta US$ 89 milhões em melões em 6 meses, aponta FIERN - O Poti News

RN exporta US$ 89 milhões em melões em 6 meses, aponta FIERN

Com esse aumento expressivo nas importações, mesmo com queda nas exportações, a corrente de comércio cresceu 32% em janeiro. Foto: Freepik.

De acordo com dados do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (CIN-FIERN), a safra de exportação de melões e melancias registrou um grande aumento nos últimos meses. Entre agosto de 2023 e janeiro deste ano, as exportações de melões atingiram a marca de US$ 89 milhões, representando um crescimento de 10% em relação ao mesmo período da safra anterior. As melancias também apresentaram um desempenho positivo, com embarques avaliados em US$ 43 milhões, um aumento de 8,9% em valor comparado à safra anterior.

No entanto, os números de janeiro mostram uma ligeira queda nas exportações em comparação com o mesmo mês do ano anterior. As exportações totalizaram US$ 70.8 milhões, marcando uma diminuição de 6,8% em relação a janeiro de 2023 e uma queda de 17% em relação a dezembro do mesmo ano. Produtos como óleos combustíveis, melões, açúcar, melancias e tecidos de algodão foram os mais exportados durante este período.

O óleo combustível e o açúcar encontraram novos mercados, sendo destinados ao Panamá e à Costa do Marfim, respectivamente. Esses mercados, anteriormente considerados irrelevantes, emergiram como importantes destinos para os produtos do Rio Grande do Norte, juntamente com Países Baixos, Reino Unido, Estados Unidos e Espanha.

Por outro lado, as importações registraram um aumento substancial em janeiro deste ano, totalizando US$ 57 milhões, um aumento de 175% em relação ao mesmo mês de 2022. Equipamentos para geração de energia eólica, gasolina, óleo diesel e trigo foram os produtos mais importados durante este período. As principais origens das importações foram a China, Países Baixos, Estados Unidos, Argentina e Uruguai.

Apesar da queda nas exportações, o aumento nas importações resultou em um crescimento de 32% na corrente de comércio em janeiro, conforme apontado pelo CIN-FIERN.