Vacina contra a dengue: confira as principais informações sobre o tema - O Poti News

Vacina contra a dengue: confira as principais informações sobre o tema

A distribuição das doses para 521 municípios selecionados pelo Ministério da Saúde terá início nos próximos dias. Foto: Marcelo Camargo.

Aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março de 2023, a vacina Qdenga, desenvolvida pelo laboratório japonês Takeda, está prestes a ser disponibilizada para a população brasileira. Em uma iniciativa conjunta, o Ministério da Saúde anunciou em dezembro do mesmo ano a inclusão desta vacina no Sistema Único de Saúde (SUS), marcando um avanço significativo na luta contra a dengue no país.

Na próxima semana, começará a distribuição das doses para 521 municípios selecionados pelo Ministério da Saúde, abrangendo 37 regiões de saúde consideradas endêmicas para a doença. Este primeiro lote visa imunizar crianças e adolescentes com idades entre 10 e 14 anos, grupo identificado com maior incidência de casos graves de dengue, perdendo apenas para os idosos.

A seguir, elucidamos as principais questões sobre a vacinação com a Qdenga no Brasil:

1. Quando se inicia a vacinação contra a dengue pelo SUS?

Prevê-se que as doses sejam distribuídas aos municípios selecionados na próxima semana. O Ministério da Saúde delega às autoridades estaduais e municipais a responsabilidade de iniciar a vacinação assim que as doses estiverem disponíveis. Os detalhes sobre datas, horários e locais de vacinação serão divulgados pelas prefeituras e secretarias de saúde locais.

2. Quem pode receber a vacina pelo SUS?

Embora a vacina Qdenga tenha sido aprovada para pessoas entre 4 e 60 anos, o Ministério da Saúde restringe, neste momento inicial, a aplicação apenas a crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. Essa decisão decorre da limitação de doses fornecidas pelo fabricante.

3. E aqueles que não estão no grupo prioritário?

Para quem está fora da faixa etária definida como prioritária, a alternativa é buscar a vacinação na rede privada. No entanto, é importante distinguir entre a Qdenga e a Dengvaxia, produzida pela Sanofi, esta última indicada para pessoas entre 6 e 45 anos e recomendada apenas para aqueles que já tiveram dengue.

4. Qual o custo da vacina na rede privada?

Os preços podem variar significativamente, dependendo do momento da aquisição. Atualmente, o valor médio de uma dose está em torno de R$ 400, sendo possível encontrar descontos ao adquirir o esquema completo (duas doses).

5. Gestantes e lactantes podem se vacinar?

A vacina é contraindicada para gestantes e lactantes, tanto na rede pública quanto na privada. Além disso, pessoas com deficiências imunológicas primárias ou adquiridas e aquelas que tiveram reações alérgicas à dose anterior não devem receber a vacina. Mulheres em idade fértil que planejam engravidar devem utilizar métodos contraceptivos por pelo menos 30 dias após a vacinação.

6. Por que a vacina não é recomendada para maiores de 60 anos?

A ausência de estudos clínicos específicos para essa faixa etária resulta na falta de recomendação para pessoas com mais de 60 anos. No entanto, outras agências reguladoras internacionais aprovaram seu uso a partir dos 4 anos, o que abre margem para prescrição médica, embora sem dados conclusivos sobre segurança e eficácia nesse grupo.

7. A vacina protege contra outros vírus além da dengue?

A Qdenga oferece proteção exclusivamente contra a dengue e não confere imunidade contra outras doenças transmitidas por mosquitos, como Zika, Chikungunya e febre amarela.

8. Quantas doses são necessárias e qual é o intervalo entre elas?

O esquema completo consiste em duas doses, com um intervalo de três meses entre elas. Mesmo para quem já teve dengue, é recomendada a administração das duas doses para otimizar a resposta imunológica. Em casos de diagnóstico de dengue durante o intervalo entre as doses, o esquema vacinal deve ser mantido, desde que tenham se passado pelo menos 30 dias desde o início dos sintomas.

9. A vacina contra a dengue passou por testes clínicos?

Sim, os testes clínicos demonstraram sua eficácia contra os diferentes sorotipos da dengue. A vacina apresentou eficácia variável: 69,8% contra o sorotipo 1, 95,1% contra o sorotipo 2 e 48,9% contra o sorotipo 3. A eficácia contra o sorotipo 4 não pôde ser avaliada devido ao número limitado de casos durante o estudo. Além disso, demonstrou eficácia na prevenção de hospitalizações por dengue, com uma proteção geral de 84,1%.

10. Quais vacinas contra a dengue estão aprovadas para uso no Brasil?

A Qdenga é a primeira vacina contra a dengue aprovada para uso amplo no Brasil. Anteriormente, a Dengvaxia, produzida pela Sanofi-Pasteur, tinha sido aprovada, porém seu uso estava restrito a indivíduos que já tinham contraído dengue. A Dengvaxia não foi incorporada ao SUS e é contraindicada para pessoas que nunca tiveram contato com o vírus da dengue.

11. Existem estudos para o desenvolvimento de uma vacina brasileira contra a dengue?

Sim, o Instituto Butantan está na fase final do desenvolvimento de uma nova vacina contra a dengue. Assim como a Qdenga, esta vacina é tetravalente e protege contra os quatro sorotipos do vírus, porém com a vantagem de ser administrada em uma única dose. A previsão é de que o Instituto Butantan submeta o pedido de registro junto à Anvisa ainda este ano.